domingo, julho 19, 2009

Adolescentes e educação

Comentários Moisés Basílio:
Pais e professores, embora possuam papéis diferentes, são figuras que se relacionam com a adolescência no plano do educar. Digo educar em dois sentidos - o do cuidar e o do ensinar. O problema é que o adolescente não quer ser cuidado e nem ensinado, ele se considera auto-suficiente. Não há uma receita pronta para enfrentar esse problema, pois educar é uma arte que brota da experiência de vida de cada pai ou professor. Mas, se por um lado não há receitas prontas, por outro a troca de experiências em enfretar o problema é de grande validade. A experiência relatada no livro do Gilmour, que serve de base para o artigo do Calligaris é deveras interessante, e estou curioso em ler o livro. Axé!


Fonte: Jornal Folha de S. Paulo - 16/07/2009

Autor: CONTARDO CALLIGARIS

Educar pelo cinema

Quase sempre, na vida de um adolescente, não basta preparar-se para o futuro; ele quer viver


QUANDO CHEGA uma convocação da orientação pedagógica do colégio de seus filhos, alguns pais já sabem que escutarão queixas: o garoto não estuda e não presta atenção, anda com uma gangue, dever de casa nem se fala etc.
Para mim, a queixa mais alarmante é a que diz que nosso filho é legal, mas não se interessa por nada -não só por nada do que a escola lhe propõe: nenhum esporte, nenhuma atividade extracurricular, nenhum hobby, nada.
Ele pode, eventualmente, ser obcecado com sua aparência (roupas, marcas, corte de cabelo), mas, no mais, ele só gosta de jogar conversa fora num shopping, beber cerveja, ficar no MSN e, às vezes, fumar cigarros ou baseados. O baseado é pior: afasta das tarefas cotidianas e do desejo, e, quando o afastamento se torna angustiante (os adolescentes sofrem com sua própria inércia), volta-se ao baseado para acalmar a angústia.
É um tranco que muitos pais atravessam do jeito que dá: desde as punições (cortar mesada, computador, saídas) até as tentativas desesperadas de envolver o rebento nas atividades dos adultos. "Ele vai jogar bola comigo", "Por caro que seja, se formos para o Quênia, ele vai se interessar, ao menos, pela vida dos elefantes. E pode querer ser veterinário", "E se comprássemos um cachorro do qual só ele se ocuparia?", "E se ele trabalhar na ONG daquela amiga que cuida de crianças de rua?", "Se ele encontrasse uma namorada, não seria o estímulo que lhe falta?".
O fato é que quase sempre chega um momento, na existência de um adolescente, em que, de repente, preparar-se para o futuro não lhe basta. Ele não quer se preparar, quer viver. Só que não sabe bem o que seria "viver": o mundo, como dizia a mãe de Forrest Gump, é uma caixa com chocolates variados, mas, no caso, por não conhecer os gostos e os recheios, o jovem hesita e morre de fome.
Os pais e os adolescentes que passam por essa situação não precisam se desesperar. O tempo cura muitos males, e a vida não é tão curta assim que um adolescente não possa "perder" alguns anos (tanto mais que nem sempre os ditos anos são propriamente perdidos).
Enfim, pais e adolescentes, que estejam ou não em apuros, não percam o livro de David Gilmour, "O Clube do Filme", que acaba de ser traduzido pela Intrínseca e que é uma pequena joia de coragem e sinceridade.
Gilmour conta como, confrontado com um filho de quinze anos que ele adorava, mas que não se interessava por nada, diante do espetáculo intolerável da aflição do garoto com as obrigações escolares, ele decidiu retirá-lo da escola. Mas nada de "Se você não quer estudar, tem que trabalhar; vagabundo não cabe nesta casa". Gilmour inventou uma educação alternativa: nenhuma obrigação, salvo a de não usar drogas (crucial) e a de compor, com o pai, o clube do filme, ou seja, assistir, três vezes por semana, a filmes que o pai escolheria e introduziria com breves comentários. Depois disso, a cada vez, pai e filho conversariam sobre o filme. O garoto, evidentemente, topou.
Começaram assim vários anos em que pai e filho viveram uma relação que não era parasitada pela necessidade de forçar o garoto a estudar, mas não foi nenhum paraíso: o pai, que atravessava um tempo de fracasso profissional, não parava de questionar sua própria decisão (será que ele estava acabando com o futuro do filho, que, aos 16 anos, não sabia onde está a Flórida no mapa?), e o filho não tinha como não sofrer com a sensação de estar sem rumo na vida.
A história acaba bem. Mas, cuidado, não é uma receita praticável, a não ser por quem tenha uma coragem de leão e, sobretudo, consiga amar seu filho mesmo que ele não corresponda aos sonhos dos pais (tipo de amor muito mais raro do que a gente imagina). Além disso, eu me perguntei se não teria sido possível instituir o clube do filme sem que o garoto saísse da escola (talvez não, talvez sim).
De qualquer forma, terminei o livro com dois pensamentos.
1) Há uma coisa que nossos filhos precisam conquistar, e que nunca vai ser uma matéria do programa: é o desejo de viver. Nessa tarefa decisiva, a ficção talvez seja o melhor recurso. E, das ficções, o cinema é a mais facilmente acessível.
2) Os adolescentes devem se preparar para sua vida futura, mas, igual eles estão vivendo, agora. Às vezes, parecemos sacrificar radicalmente seu presente em troca de nossa própria (ilusória) tranquilidade quanto ao seu futuro.

ccalligari@uol.com.br

Um comentário:

Peter disse...

O maior problema da juventude hoje é esse,a falta de "sonhos",não querem em maioria sonhar com um futuro melhor,não estão sendo estimulados ao hábito de desejar algo melhor,não vêem uma luz no fim do túnel,acredito que o modo mais prático e creio eu é a inclusão por meio da cultura.
Os pais e o governo tem de incentivar os jovens para a cultura,a literatura,teatro,cinema,e qualquer outra atividade que traga ao jovem um sentimento de curiosidade,que ele possa melhorar,que o futuro pode ser mais previsivel e interessante do que ele imaginava.
eu não tinha muito interesse no meu futuro a pouco tempo,mas depois que comecei a estudar literatura,problemas sociais,e acima de tudo,atuar no teatro,pois sou um jovem ator,sonho com um futuro melhor,e me dedico a esse futuro.
No futuro,quero incentivar meus futuros filhos e familia a praticar atividades culturais que vão trazer bons conteúdos e bons exemplos,quero que todos nós possamos não sonhar,mas simplesmente ver um futuro melhor
e levar nosso brasil a um novo estatus mundial,como um pais de primeiro mundo.